Ermos Orientais

Descrição

Os Ermos Orientais fazem a fronteira entre os Reinos Ocidentais e os Reinos Orientais. Tal qual a região das Terras Marginais, o local foi palco de diversas batalhas e hoje vive com esparsas habitações, geralmente vilas que se formaram em torno de fortes ou comunidades isoladas, sem um governo que as una.

Por isso, as caravanas do Ocidente ou do Oriente que por ali passem, para evitar os saques piratas no Mar Rubro, devem atentar para o ataque de bandidos de estrada ou monstros. Companhias mercenárias ou mesmo solitários são contratados para fazer essas viagens.

Geografia

Ao norte dos Ermos fica a parte leste das Udrar Kahal. Estas antigas montanhas são a casa de tribos de orcs, ogros e diversos goblinóides, além de gigantes. Conta-se também que há ruínas de antigos reinos bárbaros. Por ventura, encontra-se um ou outro assentamento humano, em passagens que ligam com os Reinos Setentrionais, embora outras formas de viagem sejam preferidas que passar por esses lugares perigosos.

Encostada nas Udrar Kahal está a ancestral floresta de Bar Dravonnen. Suas antigas árvores sobem o pé das montanhas, sendo bloqueadas ao sul pelas terras pantanosas, a oeste pelo rio Brachilanan e a leste pelas colinas. Em suas densas matas encontram-se mistérios perdidos dos reinos bárbaros que foram destruídos em guerras passadas. Alguns elfos por ali perambulam quando são encontrados por outras raças. Na maior parte, estão escondidos observando sem serem observados, sendo mais ariscos que os elfos dos Reinos Ocidentais.

Cidades e vilas

Mae Dringlor, é um refúgio élfico escondido na ancestral floresta Bar Dravonnen. É onde se localiza também o principal templo dedicado a Talena, deusa das profecias entre os elfos, e morada de seu oráculo. Após a Guerra de Unificação Volstagradiana, a princesa de Daenor sobreviveu ao ataque das forças de Chimay Urquell e para lá foi levada por caminhos secretos. O local sofreu o ataque de orcs devotos de Caellor, a Deusa da Escuridão que raptaram a princesa, mas a Guilda da Curtição a resgatou. São mais ariscos e não gostam de visitantes, confiando apenas nos humanos de Refúgio do Corvo, com quem fazem comércio.

Refúgio do Corvo é uma vila independente, comandada pela Senhora do Refúgio Válaris, uma guerreira e estrategista excepcional. A vila faz comércio com os elfos de Mae Dringlor, embora sua localização seja secreta.

Ruínas

As areias do tempo encobriram a maior parte das antigas construções dos finados reinos e impérios que existiram nos Ermos Orientais e tinham cidadelas ou castelos na região das Terras Marginais. Ocasionalmente, um tremor ou o próprio vento expõe tais ruínas ao mundo exterior, mas logo são reabitadas por bandidos e monstros ou liberam nas terras seus horrores ancestrais.

Rumores

Há quem diga que há um pontos nas Udrar Kahal onde se encontra um templo oculto dedicado a Caellor, uma deusa maligna exilada por outros deuses há muito tempo. O local deve estar em ruínas, mas a maldade da deusa deve permanecer nos escombros, atraindo toda sorte de criaturas.

A floresta Bar Dravonnen esconde uma comunidade élfica. Ninguém sabe exatamente onde fica e apenas alguns ouviram seu nome: Mae Dringlor. As histórias sobre itens de qualidade élfica e dotados de grande magia atraem caçadores de diversos lugares à procura desse refúgio élfico.

Ermos Orientais

Old Dragon - Galerinha bruno_baere bruno_baere