Old Dragon - Galerinha

Welcome to your campaign!
A blog for your campaign

Wondering how to get started? Here are a few tips:

1. Invite your players

Invite them with either their email address or their Obsidian Portal username.

2. Edit your home page

Make a few changes to the home page and give people an idea of what your campaign is about. That will let people know you’re serious and not just playing with the system.

3. Choose a theme

If you want to set a specific mood for your campaign, we have several backgrounds to choose from. Accentuate it by creating a top banner image.

4. Create some NPCs

Characters form the core of every campaign, so take a few minutes to list out the major NPCs in your campaign.

A quick tip: The “+” icon in the top right of every section is how to add a new item, whether it’s a new character or adventure log post, or anything else.

5. Write your first Adventure Log post

The adventure log is where you list the sessions and adventures your party has been on, but for now, we suggest doing a very light “story so far” post. Just give a brief overview of what the party has done up to this point. After each future session, create a new post detailing that night’s adventures.

One final tip: Don’t stress about making your Obsidian Portal campaign look perfect. Instead, just make it work for you and your group. If everyone is having fun, then you’re using Obsidian Portal exactly as it was designed, even if your adventure log isn’t always up to date or your characters don’t all have portrait pictures.

That’s it! The rest is up to your and your players.

View
Até agora...
Onde sabemos um pouco sobre a história do mundo

A história até agora

Uma guerra havia se formado nos reinos ocidentais. As dificuldades econômicas que o reino de Volstagrad passava incentivaram uma campanha expansionista, comandada pelo Conde Kahrn. Com poucas forças armadas, grupos mercenários foram contratados.

A região de Belars, próxima às fronteiras orientais, foi conquistada sem muito derramamento de sangue. Com o domínio da região agrícola e com a possibilidade de minérios na região, a campanha expansionista foi direcionada para o oeste.

Nossos heróis

Algumas companhias mercenárias foram dispensadas do exército volstagradiano. Sem trabalho, se entregaram à bandidagem, serviços de escolta e pilhéria de tumbas e ruínas. Vocês fazem parte de uma das companhias mercenárias que não teve o contrato renovado, ficando seu destacamento em Belars.

View
O início de tudo

No tempo presente…

Nossos aventureiros estavam escoltando a caravana que levava o Sino de Sir Valérius de Hamming para Belars, travessando a ponte do rio Corellos. É neste momento que são emboscados por goblins!

Cercados, no meio da ponte, Vanael com seus sentidos élficos antevê a emboscada, mas não seus companheiros. Cercados, os goblins começam a atirar sobre eles, quase espantando os cavalos que puxavam a carruagem. Vanael retribui as flechas, abatendo um dos goblins. Seus companheiros se recuperam da surpresa da emboscada e passam a retalhar os goblins, evitando que cortem a ponte e a queimem.

A perfurante lança de Q’dor e a pesada montante de Baden destroçam os goblins, enquanto Bastian arremessa adagas escondido nas folhagens. Latiffa e Muriel usam seus encantamentos e feitiços para desnortear as fileiras goblins.

Findo o ataque, os aventureiros se recuperam, a ponte quase queimada com as tochas dos goblins, mas o sino em segurança. Mas… como eles chegaram até aqui?

O tempo passado, não muito distante

Após o fim da campanha expansionista volstagradiana para o oriente, os grupos mercenários contratados pelo Conde Kahrn são dispensados. Muitos se entregam à pilhéria e selvageria, outros buscam novos contratos em uma terra abatida pela guerra e por hora abandonada pelas autoridades. Há promessa de empregos na cidade de Belars, mas de Piolt até lá ainda resta muito chão. Eis então que empreendem sua viagem até a cidade.

Parando na cidade de Rivels, na única taverna da cidade mineradora, A Corvo Sagaz, nomeada assim em homenagem à epoca de prosperidade na mineração, são procurados por Farfgard para um trabalho: recuperar o medalhão de seu pai, enterrado nas catacumbas de sua família, para que possa ser considerado herdeiro. Porém, os mortos andam nas catacumbas. A recompensa: 50 moedas de ouro.

Muriel acha estranha a história do homem, e pela noite, decidem esperar a manhã para dar-lhe a decisão. Farfgard os lembra de que não são os únicos mercenários dispostos a uma recompensa por um serviço naquela taverna. Bastian os reconhece como um dos bandos mercenários que lutou na guerra de anexação. Enquanto Farfgard sai, Bastian o segue para certificar-se de que não seriam traídos ou atraídos para uma emboscada. Porém, sua estadia na taverna não seria tão simples, quando Baden resolve fanfarronear com as serventes e atrai os olhos de todos.

Um senhor se levanta e começa as bravatas contra os mercenários. Ele tem uma perna de pau, provavelmente um veterano de guerra que não pode defender sua liberdade ou um pai que perdeu um filho na guerra. Quando Muriel tenta intervir, quase é acertada por um tabefe do velho, que é impedido por Vanael, com Q’dor logo ao lado de sua protegida. O clima na taverna fica tenso, os mercenários na mesa ao fundo já levam as mãos às armas e os habitantes se preparam para agir.

Enquanto isso, Bastian segue Farfgard à distância e observa o homem até ele dormir. Ao tentar invadir a casa dele para descobrir o quão verídica era a história que contou, acaba quebrando a fechadura da porta e desiste, retornando para a taverna. Eis que encontra o grupo todo fora da taverna, contrariados e discutindo sobre terem adquirido a inimizade da população.

Enquanto o grupo arma acampamento nos limites da cidade, Bastian usa sua lábia para convencer o taverneiro que é um membro à parte do grupo e que alugaria um quarto. É oferecida-lhe a cama do falecido cachorro do dono da taverna. Engolindo seu orgulho, aceita e dorme sob um teto. No dia seguinte, no café da manhã da taverna, usa sua lábia para descobrir mais informações da região. Kelt, com sua orgulhosa guilda de criadores de galinhas, e sobre como Rivels era próspera com a mineração, mas como as pessoas abandonaram a cidade após as minas enfraquecerem e a concorrência com Passo do Carvalho ficar mais forte.

O grupo se reúne pela manhã e decidem ir à oficina de artigos de couro de Farfgard discutir sua posição sobre o trabalho.

View
Adentrando a Tumba dos Gnord

Um rosto conhecido

Acertando um acordo com Farfgard, pedindo melhorias em suas armaduras de couro, os aventureiros pegam um mapa de couro com a descrição da tumba da família Gnord, a chave da mesma e seguem em direção.

Quando se aproximam da entrada, perto do sol do meio-dia, observam um vulto agaixado na entrada. Quando sorrateiramente se aproximam, o vulto se vira, pronto para arremessar uma pedra. Era Yusuke Suzuki, “explorador de locais desconhecidos” que fora treinado com Bastian.

Após o reconhecimento e o ingresso de Yusuke no bando, abrem a porta com a chave de Farfgard e adentram as catacumbas dos Gnord.

Mortos de Sangue Quente

O primeiro bloqueio que encontram é outro portão de grade enferrujada. As ferramentas de Yusuke e a tentativa de usar novamente a chave da entrada estragam a fechadura e fazem com que Baden tenha que derrubar o pesado portão. Seguindo adiante, com cautela, Yusuke e Baden, na ânsia de seguirem o barulho dos passos que ouviram acabam caindo num fosso que estava coberto.

A queda deixou Baden levemente escoriado, mas foi quase fatal para Yusuke. AIçado do fosso por uma corda, Latiffa usa os poderes d’O Absoluto para restaurar-lhe os ferimentos, recobrando-lhe a consciência. Com o fosso aberto, improvisam uma ponte com o portão derrubado e uma corda presa num suporte de tocha. Atravessam um a um com todo o cuidado possível. Baden ficou por último e viu Q’dor quase cair junto com o portão, mas a corda impediu sua queda. Latiffa teve que usar a corda para descer o fosso e subir, mas quando estava quase terminando a escalada, foram atacados pelos mortos que Farfgard avisou que caminhavam na tumba.

Em uma primeira estocada com a lança, o sangue quente que escorreu e a maldição praguejada entregaram a identidade dos monstros: não eram mortos-vivos, mas pessoas disfarçadas. Com a morte do primeiro e uma bravata disparada por Muriel, os bandidos põe-se a correr. A machadinha de Yusuke ceifa a vida de um dos corredores enquanto uma flecha de Vanael destrói o joelho de outro.

Avançando no corredor, estancam o ferimento do corredor, mas o choque lhe tomou a consciência. O outro sumiu pelos corredores. Carregando o bandido desacordado, os aventureiros chegam na catacumba e descobrem alguns túmulos revirados, mas nenhum sinal do quarto bandido.

A ausência do outro bandido desperta-lhes a suspeita de que há alguma passagem secreta. Após muito procurarem, Baden encontra um alçapão cuidadosamente escondido, com uma escada de madeira na parede que descia por uns 9 metros.

Para baixo e avante

O halfling Bastian é descido pelo buraco por uma corda para verificar o ambiente. Lutando contra o fluxo de sangue contra seu cérebro e a desorientação, identifica 3 túneis numa caverna abaixo da catacumba. E quase perde o nariz para uma adaga arremessada! AIçado de volta, trocam bravatas com os bandidos remanescentes. Baden arremessa o corpo do bandido desacordado escada abaixo, quebrando sua coluna e calando seus companheiros.

Baden é o primeiro a descer, após o silêncio, seguido de Latiffa e Q’Dor. Quatro bandidos atacam berrando bravatas, dois do túnel norte, dois do túnel leste. A luta começa e os remanescentes nas catacumbas se apressam em descer. Latiffa esmaga com sua maça a mandíbula de um dos bandidos, mas é atingida na têmpora por uma adaga. Baden segura os outros dois no túnel norte, enquanto seus amigos terminam a descida.

Após Latiffa esmagar a cabeça do segundo bandido e Q’Dor empalar um dos que atacavam Baden, Yusuke chega na caverna e consegue avistar um terceiro bandido, vindo sorrateiramente pelo túnel leste pronto para atacar Latiffa pelas costas. Sua machadinha certeira no ombro o faz derrubar a espada. Muriel os faz se renderem com suas ameaças. Porém, não esperavam que um estivesse escondido nas sombras. Este tenta puxar Vanael pelo cabelo, mas o elfo é mais rápido e perfura sua garganta com a espada. Finalmente rendidos, os bandidos se entregam.

A prata e o ouro

No interrogatório descobrem que eram bandidos comuns, vítimas da fome e da guerra, que descobriram que a catacumba dos Gnord escondia uma mina de prata ainda ativa, desconhecida pelo novo governo volstagradiano. Liderados por Miguel, morto por Vanael, resolveram invadir o local e minerar ilegalmente, usando disfarces de zumbis para espantar curiosos. Um dos túneis estava desmoronado, mas o túnel leste ainda contém veios de prata. Q’dor saqueia o acampamento subterrâneo dos bandidos, mas não encontra nada além de algumas peças de prata e de ouro, além de uma opala.

Eis que Baden, Q’Dor e Yusuke seguem pelo túnel oeste para investigar o resto da mina.

View
Resolvendo o problema de Farfgard
Onde o atormentado se revela

Problemas de família

Quando Q’dor, Baden e Bastian entram no último corredor a ser explorado, ficam presos na armadilha ilusória do corredor infinito. Só conseguem sair quando Muriel, detectando a magia no corredor, resolve adentrar com Zak e Rahma amarrados, os bandidos que se renderam, e Latiffa, Vanael e Yusuke Suzuki. Ao perceberem as runas no teto, decifradas por Muriel, conseguem retroceder e escapar da prisão mágica.

Mas eis que ao retornarem encontram Farfgard acompanhado do Bando do Porco-Espinho, o grupo mercenário que estava na taverna. Farfgard entrega que eles descobriram demais sobre a mina, um segredo seu, e o bando mercenário se dispôs a fazer o serviço pela metade do valor, além de poder pilhar os corpos dos aventureiros.

É nesse momento que Bastian arremessa uma adaga no ombro de Farfgard, mas antes que o mesmo possa reagir, do corredor desmoronado uma mão surge, quebrando as pedras: era o pai de Farfgard, ainda carregando o amuleto, preso por seu próprio filho na mina e abandonado à fome. Retornando como um Atormentado, ataca o próprio filho, dilacerando seu pescoço. Os grupos se enfrentam em meio ao caos!

Vanael consegue disparar uma flecha na boca da maga Mysia, impedindo-a de conjurar seus encantamentos. A luta contra a guerreira Delyth e o arqueiro Sid mostra-se dificultosa. Com os contratados do Porco-Espinho arremessando óleo e tocha nos combatentes que se interpuseram contra o Atormentado. Bastian e Latiffa quase são queimados vivos, salvos por Baden que os puxa, embora Latiffa caia e Bastian é que termina de tirá-la das chamas.

Com a lança de Delyth quebrada pela espada de Baden, Latiffa esmaga a cabeça do atormentado, que já havia terminado de devorar seu próprio filho, mas tem seu pulmão perfurado por Sid. Baden e Q’dor, com a lança quebrada no escudo de Delyth avançam, enquanto os contratados do bando do Porco-Espinho decidem fugir pela escada.

Após uma luta severa, em que Sid teve as tripas espalhadas no chão, e com Latiffa fora de perigo pela ação de Muriel, a guerreira selvagem Delyth resolve se aliar à razão de Muriel. Q’dor pega a picareta de Latiffa e quebra a lajota que os covardes recolocaram no lugar e empurra a pedra que tapava a passagem. Delyth carrega os corpos de Sid e Mysia para o andar da tumba. Zak e Rahma carregam dois sacos cada um com 25Kg de minério de prata, junto com Bastian. Quando terminam de sair da tumba dos Gnord, encontram os corpos dos covardes, abatidos por Delyth com seu escudo. Ela se despede, ainda magoada com a queda do bando do Porco-Espinho.

O expurgo de Rivels

Refugiando-se na casa de Farfgard, o grupo procura cuidar dos ferimentos de Latiffa. Eis que, na manhã do dia seguinte, Bastian sai da casa e é interpelado pelos moradores. Achando a história muito estranha, e com o blefe de Bastian não os convencendo, decidem deixá-los ficar por apenas o resto do dia para cuidar de Latiffa, sendo expulsos na manhã do dia seguinte.

O grupo segue em direção a Belars, fazendo uma pausa em Kelt para descansar depois de dois dias de viagem. É na taverna Galo Dourado, a única da cidade, que encontram um rapaz, hostilizado pelos outros habitantes. Theo vai em direção a eles, pedindo ajuda.

View
Um problema bem peludo!
Onde nem tudo é o que parece

E na Taverna Galo Dourado, nossos aventureiros se envolvem com pessoas bem diferentes. Enquanto Muriel, Baden e Q’dor conversam com o taverneiro Mac Boon para descobrir mais sobre o que tem acontecido em Kelt, Yusuke Suzuki tenta se dar bem roubando o estranho bem vestido, mas ele mesmo é roubado do fruto de seu roubo e é pego tentando trapacear pelo estranho, denominado Neme Finório, com sua loura e alta companheira. Ambos se despedem de Yusuke e deixam com ele um baralho do jogo de passaqi, sugerindo um encontro no futuro.

kelt.jpeg

Baden tenta a sorte com uma senhora sozinha na taverna, mas sua falta de maneiras acaba o atrapalhando. Mais sorte para Yusuke, que usa seus encantos orientais para seduzir a viúva Misslyn, que o convida para pernoitar em sua casa. Baden afoga a mágoa da conquista malsucedida em bebidas, enquanto Muriel, Bastian e Vanael seguem o jovem Theo, apontado por Mac Boon como um dos possíveis culpados pelo roubo das galinhas. Conversam com o jovem fora da taverna, que lhes oferece o anel que foi presente de seu avô, recebido por um druida quando Theo salvou-lhe a filha que estava presa em uma armadilha, se lhe salvassem o couro das acusações. Juntando-se aos outros, menos Yusuke, seguem apara a estalagem Ninho Feliz pernoitar. Porém, Zak e Rahma não recebem a hospitalidade do único quarto disponível e acabam dormindo na cocheira.

O galo anuncia o dia e uma nova tragédia. Recebendo uma recompensa pelos atos da noite, Yusuke segue para encontrar seus amigos. Durante a noite, outras 5 galinhas foram subtraídas do fazendeiro Bob. Quase toda a cidade estava junta. Anunciam-se como investigadores do caso e o líder da guilda de criadores de galinha, Mac Annu, promete-lhes uma recompensa se solucionarem o problema. Baden e Vanael decidem investigar a fazenda de Bob e encontram rastros de um animal de porte médio que somem ao sair da fazenda. Decidem se separar para investigar melhor. Do paradeiro de Zak e Rahma ninguém sabe, ao que parece, fizeram como o combinado: partiram após chegarem à nova cidade.

Enquanto Muriel, Vanael e Q’dor seguem para a casa do caçador Volk, Baden, Yusuke e Bastian resolvem conversar com Theo e Champs para saber o que ambos tinham a dizer. O primeiro trio é recebido por um caçador austero que nega ter visto lobos na área por dois anos. Ao ouvir da recompensa do líder da guilda de criadores de galinha, resolve levar o filho Luccius para treinar suas habilidades de caça ajudando na investigação. Acabam todos se reunindo na cocheira onde seus animais de carga estão. Teorizam sobre a ação de um lobisomem, sobre a possibilidade de ser um druida se transformando em lobo ou até mesmo a ação de cultistas.

Enquanto Muriel, Vanael, Q’dor, Volk e seu filho Luccius seguem para a fazenda de Bob analisar os rastros, Baden, Yusuke e Bastian resolvem falar com Vadgar, que Champs havia indicado ser alguém que teria algo contra ele. Na casa de Vadgar, descobrem que este fora um taxidermista e que poderia dar uma olhada nas pegadas. Quando Volk coloca Luccius para analisar as pegadas, Muriel nota seu nervosismo e pressiona o garoto, que facilmente cede e conta o plano de Renvar. Os outros chegam na hora em que Volk espancava o filho pelos problemas causados. Com a raiva de Volk controlada, decidem todos seguir para a casa de Renvar.

É noite quando Renvar nota a aproximação do grupo, com Luccius. Prevendo ter sido descoberto, foge pela janela em direção à floresta. Volk e Luccius entram na casa de Renvar para recuperar as galinhas escondidas no porão, enquanto Latiffa, Baden, Vanael e Yusuke perseguem Renvar pela floresta. O homem não aguenta a perseguição e recosta em uma árvore. Vanael é o primeiro a chegar, apontando o arco para o malfeitor, que em um blefe, chuta uma pedra nos olhos de Vanael, fazendo o elfo errar seu tiro.

Quando Renvar parecia conseguir fugir, um uivo animalesco é ouvido e da escuridão da mata um warg salta e destroça seu pescoço.

View
Problemas em Belars
Onde um sacrifício é evitado

Encerrando a penosa sombra sobre Kelt

A luta contra o warg é árdua. Vanael fica com o braço ferido pela mordida do tenebroso animal e Baden é ferido no pescoço pelas suas poderosas mandíbulas. É somente com o trabalho em conjunto e os místicos mísseis mágicos de Muriel que o warg tomba.

O grupo retorna com a carça do warg para Kelt e são recebidos pelo líder da guilda de criadores, Mac Annu. Com a traição de Renvar exposta, seu cadáver e o do warg apresentados à população e as galinhas dos criadores retornadas do porão de Renvar, a cidade faz uma festa. E é nessa festa que Yusuke Suzuki, em meio à grande quantidade de álcool que bebeu, vê uma criança bem vestida que lhe olha fixamente e ouve uma profecia:

“Quando as eternas raízes caírem, ele se levantará e tudo estará perdido”

E quando Suzuki acorda no dia seguinte, descobre-se vítima de uma pegadinha de seus amigos: estava sem calças, colocado virado para a lua, com uma vassoura e suas nádegas besuntadas em óleo. Promete o troco a quem ele saberia ser o autor, pelos tempos vividos em treinamento: o pregador de peças Bastian.

O dia é gasto basicamente se recuperando dos ferimentos da batalha contra o warg e removendo partes aproveitadas do mesmo. Com dois frascos com o sangue, quatro presas e seu couro, recebem de Mac Annu uma carta para levarem ao barão Felks em Belars. Muriel vai a Theo e cobra-lhe o anel que havia sido prometido como recompensa.

No dia da partida para Belars, encontram no caminho os corpos de Zak e Rahma, mortos por mordidas de warg há alguns dias. Dos corpos, recuperam os minérios de prata que eram da parte deles. As pegadas apontam na direção de Kelt, mas sem saber se eram novos wargs ou o mesmo que derrotaram, seguem para Belars.

A luz na escuridão

Quando estão quase chegando na cidade, passam por sobre os campos de caça de besouros gigantes do fogo, que saem de suas tocas e atacam suas montarias. No meio da batalha contra os quatro besouros, Suzuki desliza embaixo de um deles, cortando seu ventre e se banhando em seu líquido viscoso, escapando por pouco de ser atingido pela glândula flamejante. As montarias de Bastian e Latiffa Laqüiin são feridas, mas conseguem derrotar os outros dois besouros enquanto o outro fugia após a morte do primeiro. Retirando as glândulas dos que estavam em boas condições, chegam em Belars, sob a luz azulada de Lamare e seus anéis.

A pousada Águia Gritante abre suas portas para os viajantes. Em seus estábulos descansam Maçã, o cavalo de Latiffa e a mula de Baden. O estalajadeiro Lars Boon, primo de Mac Boon de Kelt, ao saber dos feitos dos aventureiros em sua cidade natal, os avisa da nova lei estabelecida pelo barão Felks: apenas grupos registrados poderiam andar armados na cidade, como forma de suprimir revoltas populares. Enquanto Suzuki toma um banho na tina de água quente para se limpar da gosma de besouro, Latiffa vai verificar as montarias e é interpelada por um trio de guardas. Um deles, identificando-se como seguidor de Vahlar, pede que ela o abençoe e ofereça a seu deus a mão do ladrão que ele capturou e será sacrificado no ritual de louvor a Vahlar em dois dias na cidade. Latiffa se lembra que entre as oferendas pode estar seu irmão escravizado e decide ir procurá-lo entre os presos no dia seguinte.

Ao terminarem o desjejum na estalagem, são recebidos pelos mesmos guardas, entre eles o tenente James Trevor, que havia entregue a mão do bandido a Latiffa, para serem registrados junto ao barão Felks no salão comunal da cidade. No meio do caminho, Suzuki decide misturar-se à população para evitar ser visto pelos guardas. É nisso que encontra Neme Finório e discutem sobre o vil barão que o Conde Kahrn colocou para administrar a região enquanto prossegue a oeste com o expansionismo do rei de Volstagrad.

O grupo conhece então o desprezível barão Felks, um homenzinho gordo, de cabelos oleosos e bigode fino que parece só querer enriquecer às custas da região. Ele nega o reconhecimento do ataque do warg a Kelt, dizendo que fora um acidente isolado que não merece atenção. Zomba da preocupação de Vanael, citando a queda da cidade élfica a oeste, nas mãos de Volstagrad. Felks então lhes oferece a carta de permissão, contanto que tragam o sino de Sir Valerius, encomendado por Conde Kahrn à cidade de Hamming para manter a paz entre Hamming e Belars após sua anexação por Volstagrad, já que o grupo não queria dispender da quantidade de ouro necessária para obter a carta.

Yusuki procura então um apotecário para vender as glândulas de besouro do fogo, em posse de Muriel e Vanael. Encontra a loja de um velho senhor, a Ervas e Poções do Tio Quill. Ao adentrar e conversar com o velho senhor, que joga um pó sobre o fogo, fazendo-o crepitar ainda mais, discutem e barganham até chegar à conclusão de que entregariam as glândulas para a produção de uma pasta de fogo a um custo reduzido. Vanael e Muriel o encontram na loja, mas dada a ilegalidade do assunto e a urgência do pedido de Yusuki, decidem encontrar Tio Quill à meia-noite para receptar o produto.

Q’Dor e Bastian seguem para a ferraria O Bom Ferro Frio, onde levam os sacos de minério de prata para refino. Avisado de que a forja das barras de prata para poderem negociar deveriam levar o símbolo real e que isso lhes custaria um imposto, pago ao barão Felks, negociam com o ferreiro Parnalin e venda da prata. Feitos os cálculos do quanto receberiam, ficam assombrados e muito felizes com a quantia de 1000 peças de ouro, quase falando pelos cotovelos e muito se segurando para não darem com a língua nos dentes. Ao que parece, grande parte da população não está feliz com o barão.

Baden e Latiffa seguem para a prisão, para que Latiffa participe da preparação ritualística das oferendas. Deixando Baden na rua para evitar problemas, a sacerdotisa adentra a masmorra da cidade de Belars com James Trevor e outros guardas e é apresentada aos prisioneiros. Ao realizar a raspagem de pelos cerimonial, entre estupradores, um homem que assassinou a própria mulher (e teve a mão cortada por James), Latiffa conhece Riniades, um ex-ferreiro seguidor de Vahlar que havia sido preso por desafiar as ordens de Felks. O homem pede a Latiffa que cuide de sua irmã de 12 anos que havia sido deixada sozinha no mundo após ter sido preso. Terminados os ritos de preparação, Latiffa pede a James que interceda pelo homem, considerado impróprio como sacrifício, mas o tenente diz que, embora desejasse, nada poderia fazer, pois era um sacrifício desejado pelo barão Felks.

O plano de Latiffa

À noite, reunidos no salão comunal da Águia Gritante, o grupo discute suas próximas ações. Porém, distraem-se com a chegada d’Os Filhos de Kelvin, um bando mercenário que tinham ouvido falar quando foram se registrar ao barão Felks. Ouvem o barulho das moedas em sua sacola e seus planos de se divertir na taverna. Yusuki abre os seus olhos fechados para a tentativa e convence seus amigos de seguir para a taverna após discutirem seus planos.

Retomando as dicussões, Latiffa pretende resgatar Riniades da prisão, contando com a ajuda de Bastian, Baden e Suzuki. Muriel, Q’dor e Vanael ficariam na estalagem esperando por um tempo, e partiriam em resgate caso algo parecesse errado. Todos concordam com o plano, mas Bastian e Vanael tinham algo a fazer antes e Yusuke também tinha planos à meia-noite. Encontrariam-se logo após terem feito seus afazeres. Muriel coloca o anel que ganhou de Theo, mas não percebe nada de diferente.

p.Na taverna, ao ouvirem as aventuras d’Os Filhos de Kelvin em ruínas nas colinas Gwynapp Nud, Baden desafia a veracidade das histórias de Norrin, o bárbaro, e colocam-se em um desafio de queda de braço. Ao ver que perderia a disputa de melhor de 3, Baden dá um soco em Norrin e começam a brigar na taverna. Entre canecas sendo quebradas, punhos voando em queixos e muito sangue, Yusuke aproveita para aliviar alguns bolsos de seu peso, enquanto tenta manter o olho em Kragor, o anão ladrão d’Os Filhos de Kelvin. Ambos se trombam em meio ao seu serviço e se desafiam em suas artes da punga, mas Yusuke leva a melhor, roubando a bolsa de ouro e as armas de Kragor, quando Norrin derruba Baden com um chute no saco. A platéia delira, Norrin arranca a camisa de malha e flexiona os músculos para a ovação da taverna. Baden tenta aplicar-lhe um dobrão nos mamilos, mas é vítima da própria técnica.

Eis que Mezlo, o inesperado, o elfo mago dos aventureiros, dá um basta na luta colocando os desafiantes e Q’dor para dormirem com sua magia. Os guardas do barão ameaçam o elfo, lembrando-lhe das regras contra o uso de magia dentro da cidade. Os guardas terminam a festa mais cedo, mandando os convivas para suas casas. Latiffa, Vanael e Yusuke acabam tendo que carregar Baden e Q’dor para a Águia Gritante.

Em poucos minutos os homenzarrões acordam. Vanael e Bastian seguem escondidos nas sombras para perto de uma lâmpada na cidade e jogam o pó dos Vagalumes. Eis que das sombras um velho senhor os chama. Era Tio Quill, um Vagalume infiltrado na cidade. Discutem os planos dos Vagalumes para eliminar o barão Felks e tentar conseguir trazer o Conde Kahrn para seu lado na luta contra o rei de Volstagrad. Quando uma patrulha de guardas se aproxima, Quill some na noite. Yusuke vai se encontrar com o velho apotecário que está atrasado. Fazem a rápida transação, o velho Quill perguntando como ele usaria a pasta explosiva, se seria usada nos ritos a Vahlar no dia seguinte, mas Yusuke diz que apenas em caso necessário.

O grupo de reencontra no salão comunal da Águia Gritante. Guiados por Bastian e Yusuke Suzuki, Baden e Latiffa deslizam pelas sombras até o beco próximo aos portões da masmorra. Enquanto discutem um plano de ação, Yusuke arremessa uma pedra com sua funda para desviar a atenção dos guardas, mas acaba atraindo a atenção para si. Correndo para evitar que seus amigos sejam observados, é capturado pelos guardas e levado para dentro da prisão, onde apanha e é encarcerado com Riniades e as outras oferendas.

Esperando saber o que aconteceu com Yusuke, Baden e os outros percebem um dos guardas retornando de dentro da masmorra, reclamando que o baderneiro o deixou com a mão dolorida por seus ossos duros. O guarda é dispensado pelo outro para descansar, presumindo que não haveria mais problemas naquela noite. Vanael, Muriel e Q’dor estranham a demora e partem para encontrar seus amigos, andando abertamente à noite.

Bastian aproveita que há apenas um guarda e quase perde a oportunidade de nocauteá-lo, conseguindo por um tris, mas sendo visto no processo. Arrastando o corpo do guarda amarrado para o beco, tomando seu elmo e tabarda, a tempo de serem vistos ao longe por Muriel, adentram a masmorra e encontram o tenente James Trevor. Este, sabendo dos planos de libertar Riniades, pede para ser acertado bem forte. Enquanto resgatam Riniades e Yusuke da prisão, Vanael, Q’dor e Muriel recolocam o guarda nocauteado sentado em frente à prisão, com Muriel sugestionando-o em seus sonhos usando encantamentos para que considere tudo um sonho.

A fuga da prisão tem suas consequências. Os outros prisioneiros, o estuprador e o assassino, pedem que os libertem também ou os entregarão para os homens do barão. Na difícil decisão, permitem que os homens fujam. Enquanto caminham pelas sombras para a Água Gritante, ouvem o apito dos guardas e o grito de morte dos dois fugitivos.

Riniades agradece o resgate e promete que os ajudará a se livrarem do barão Felks. Recebe de seus salvadores a tabarda, o elmo da guarda e uma espada para armar sua fuga com sua irmã e diz para encontrarem-nos na cidade de Passo do Carvalho, ainda livre do domínio volstagradiano. Riniades some nas sombras da madrugada de Belars.

View
Uma recusa, um aceite
Onde um sacrifício não ocorre

Ritual Interrompido

É o dia do ritual de imolação de Vahlar. Sabendo que poderia ser perseguido pelos guardas por ter sido capturado na noite anterior, Yusuke Suzuki permanece escondido no quarto da estalagem Águia Gritante até que tragam para ele uma capa para poder se esconder. De fato, a guarda aparece na estalagem, mas Lars Boon os despista.

Durante o dia, Latiffa Laqüiin se encontra com o tenente James Trevor, visivelmente punido por seus superiores pela fuga de Yusuke, Riniades e os outros prisioneiros. Latiffa começa a questionar sua própria fé ao se lembrar de sua família e o que está acontecendo com os outros à sua volta.

Ao final da tarde o ritual se inicia. Num altar de madeira erguido no centro da cidade, a pira de imolação é acesa e os devotos iniciam sua procissão, queimando objetos relacionados a dificuldades que superaram e se mostraram superiores, oferendas a Vahlar e pedidos de proteção. Vacas são sacrificadas em nome de Vahlar e seu sangue é usado por Latiffa para abençoar devotos.

Porém, na falta de sacrifícios humanos, um forte vento sopra, apagando tochas e balançando a pira funerária. A população de Belars entende isso como um mal presságio e começa a se revoltar contra o Barão Felks, exigindo dele respostas para a fuga dos prisioneiros. Contrariado e acuado, o Felks oferece um saco com muitas peças de ouro para a imolação, aplacando a fúria de Vahlar e da população, que segue descrente em seu novo senhor.

O Barão se encontra com os membros da Guilda da Curtição ao final dos rituais e deixa bem claro que eles devem obter sucesso na busca do sino de Sir Valérius, ou haveria problemas.

Uma viagem só de ida

No dia seguinte ao ritual, a Guilda da Curtição parte para Hamming com Yusuke disfarçado. A viagem de dois dias para Hamming corre tranquilamente. Mas quando chegam à cidade, percebem que as coisas não estão como deveriam.

Hamming foi uma das cidades mais prejudicadas pela intervenção de Volstagrad. Sua milícia foi fortemente afetada e os corruptos que permitiram a facilitação da tomada da cidade estão agora a controlando, em disputa com a guilda de ladrões local e gangues menos organizadas.

E é em Hamming que Yusuke se encontra com Neme Finório. Na taverna O Velho Ancião, enquanto o resto da Guilda da Curtição conversa com o condestável, visivelmente bêbado e aberto a pequenas corrupções, Neme conta a Yusuke que nem tudo é o que se parece naquela cidade, devendo tomar cuidado com a sua própria sombra.

Yusuke parte em busca da zona de meretrício da cidade, sendo seguido tardiamente por um embriagado Baden Urquell e o condestável. Baden, menos habituado a cidades dominadas por gangues, acaba sendo cercado por bandidos que demandam suas posses, enquanto o oriental está a conhecer a prostituta Raio de Luz, uma das vítimas do empobrecimento de Hamming, marcada em seu rosto por um ex-marido abusivo.

Baden despacha com facilidade seus agressores, dividindo um deles ao meio com sua montante. O condestável, embriagado, vomita ao ver a violência e também é despachado pelo violento bárbaro, considerado fraco e corrupto. Os gritos de morte chamam a atenção dos guardas e sua distância de Latiffa a põe em alerta para procurá-lo. Baden consegue esconder-se nos becos até a situação se acalmar e ser arrastado para a taverna de volta por Latiffa.

No dia seguinte, são recebidos por um dos membros do conselho da cidade, o senhor Collins, que os põe a par da história de Sir Valérius e do sino que Hamming fez para Belars e da estátua do Conde Karhn que Belars fez para Hamming. Collins vai acompanhando na carruagem que leva o sino até Belars. Yusuke decide permanecer em Hamming, já que é procurado na cidade-irmã.

Problemas atrasados

E transcorrem os primeiros eventos relatados, do ataque de goblins… (ver O início de tudo)

Quando chegam em Belars com o Sino de Sir Valérius e a notícia de ataques de goblins, o Barão Felks é pressionado a tomar medidas, já que é o segundo indício de movimentação dos goblins das montanhas, o primeiro tendo sido o ataque do warg desgarrado em Kelt.

Relutante em tomar uma decisão, o barão decide que a Guilda da Curtição deveria seguir para as Terras Marginais e procurar o comendador Conaldhan, para exigir respostas, deixando em suas mãos a decisão de recompensar a guilda. A Guilda, insatisfeita, pressiona o barão para ceder-lhes equipamento para poder realizar a missão, e Felks cede, insatisfeito.

Bastian e Q’Dor decidem esperar pelo dia seguinte para obterem o dinheiro da venda da argentita a Parnalin, o ferreiro da Bom Ferro Frio, já que ainda não havia recebido sua remessa e temia pelos rumores de mortos-vivos nas ruínas de Valdran, a primeira cidade da região de Belars a se opor à invasão Volstagradiana. Acabam por repousar novamente na Águia Gritante.

Enquanto estão fazendo o desjejum, o barão e seus homens os encontram no salão comunal da Águia Gritante, juntamente com os Filhos de Kelvin. Felks, visivelmente irritado com a demora do grupo em partir para resolver sua demanda, anuncia uma recompensa para os Filhos de Kelvin caso decidam assumir a missão. Estes aceitam, mas para a surpresa do barão, a Guilda comemora, já que seus desafetos estariam saindo da cidade.

Quando chegam na Bom Ferro Frio para recuperar o dinheiro da transação, são cercados pelo barão e seus homens. São obrigados a devolver os equipamentos cedidos pela milícia e só não perdem o dinheiro porque Bastian consegue se esconder atrás do balcão com alguns dos sacos.

Irritados com o Barão Felks, a Guilda da Curtição abandona Belars e volta para Hamming, onde são recebidos por um homem encapuzado fumando um cachimbo. Este revela-se Yusuke, visivelmente adaptado à cidade e com novidades: os homens de Neme Finório encontraram indícios de onde estaria a tumba de Nesta, um famoso ladrão, nas montanhas a nordeste de Hamming.

Preciso de uma montaria…

Porém, estas não são as únicas novidades que Yusuke tem para a Guilda: os Filhos de Kelvin se encontram na cidade. Quando a Guilda chega na Velho Ancião, apenas o elfo está lá. Com os cavalos amarrados do lado de fora, Yusuke coloca o anel druídico de Muriel e vai tentar roubar os cavalos. Dos animais, o mustang altivo ele reconhece ser do elfo Mezlo, o malhado caipira reclamão do bárbaro Norrin e o pretinho silencioso de Kracky, o encapuzado.

Porém, com o barulho dos cavalos reclamando do roubo, Mezlo sai da taverna correndo a ponto de ver Yusuke fugindo com o pretinho. Mezlo não é rápido o suficiente e sua magia não tem mais o ladrão como alvo, acertando uma casa. Eis que do bordel surgem Norrin, Kracky e o anão Krago, envoltos apenas em toalhas. A discussão começa, às vistas da Guilda da Curtição.

Quando o corrupto condestável aparece para ouvir o que Mezlo e os Filhos de Kelvin tinham a falar, Mezlo culpa a Guilda da Curtição. Baden começa a provocar Norrin e os outros e quando tudo parecia se direcionar à violência, o cafetão chega, cobrando a fuga dos Filhos de Kelvin. Com o condestável em seu bolso, os Filhos de Kelvin em má situação, a riqueza dos homens de toalha é posta em risco. Vinganças são prometidas.

É uma bela noite de risos para a Guilda da Curtição, enquanto Yusuke aproveita a luz azulada de Lamare e seus anéis com seu novo cavalo preto ao relento.

View
A Tumba de Nesta - Parte 1
Onde tivemos feitos incríveis e falhas terríveis

Uma jornada tranquila

Ao raiar do dia, Yusuke Suzuki se encontra com a Guilda da Curtição para planejarem os próximos passos. Após se reestocarem de suprimentos e perceberem como o comércio da região tem decaído com as mazelas da guerra, decidem partir para a Tumba de Nesta, seguindo o mapa dado por Neme Finório.

Por três dias caminharam a nordeste, seguindo para as montanhas Udrai Kahal, parte da cordilheira leste do Vale Invernal. No final do quarto dia conseguiram atingir, com certa dificuldade, a região demarcada no mapa. Em um platô acidentado viram as formas do local onde estaria enterrado o grande ladrão Nesta, uma formação com o semblante de um rosto sorridente, para aqueles de imaginação que conseguiam ver tal forma.

Porém, não estavam sozinhos ali. Os olhos de Vanael perceberam um grupo de 11 orcs acampados próximos à entrada da tumba. Planejaram um ataque furtivo, com Bastian e Yusuke Suzuki portando a pasta flamejante feita com as glândulas dos besouros de fogo. Mas eis que ao se aproximarem, os orcs percebem sua presença e põe-se às armas.

A agilidade de Yusuke, ou teria sido sua sorte, é maior que a capacidade dos orcs se erguerem de seu repouso. Com uma rápida girada de sua funda, sua carga flamejante acerta em cheio na fogueira dos orcs, espalhando chamas pelo acampamento e carbonizando as criaturas com focinho porcino. O deslocamento de ar da explosão gera um vento pelo vale no alto, e com medo de terem sido ouvido por outras formas de vida, adentram a tumba de Nesta.

Nos salões do senhor dos ladrões

Após examinarem a fonte seca e a estátua de bronze de Nesta, numa pose confiante e satisfeita, na entrada, penetram no salão interno, com colunas marcadas com cenas de trapaçarias, enganações e pegadinhas. Bastian encontra numa das colunas a marca de uma porta, facilmente pressionável, que faz uma lajota do chão deslizar e revelar uma escada de pedra. Com a lanterna furta-fogo em mãos, Bastian segue em frente, sendo seguido por Yusuke carregando a tocha e os outros atrás.

Mais à frente na escada, uma parede de pedra se revela a outra porta secreta da escada. Deslizando a porta, encontram uma sala completamente tomada por um limo esverdeado, do chão às alcovas nas paredes e pingando do teto, com um odor forte de mofo e que irrita suas narinas. Muriel identifica o perigo à frente, o temido limo verde! Bastian testa as propriedades do limo e perde uma adaga, corroída pela colônia de criaturas.

Quando Yusuke resolve atear fogo ao limo, uma corrosiva fumaça é expelida. Todos correm para o andar superior, debatendo-se na escada, mas o pior fica para Bastian, Yusuke e Vanael, que não conseguiram prender a respiração a tempo e inalaram muito da fumaça, ficando prejudicados em sua respiração, com os pulmões queimando e os olhos ardendo.

Tendo determinado que o salão era um local melhor para deixar suas montarias que ao relento das perigosas montanhas, puxam os cavalos, mulas e pôneis para dentro. Resolvem seguir tumba a dentro, acabando por ter que forçar a porta leste do salão principal, um feito que Q’Dor consegue com facilidade. Um som de clique é ouvido da porta e com preocupação adentram o salão de adoração.

Cercado por colunas como a sala anterior, porém sem as marcas, as tenebrosas teias que cobrem o teto chamam sua atenção, mais até que as estátuas de Zohar, deus dos ladrões, na parede norte, e a estátua de Vahlar, na parede sul. Latiffa Laqüiin e Muriel resolvem derramar na bacia de oferendas a Vahlar uma das garrafas com sangue de warg, achando apropriado para uma oferenda. Mas eis que Baden Urquell discute com Latiffa e acaba atraindo atenção indesejada.

Da outra porta na sala, entram com pressa 7 orcs, com pesados machados, pegando os aventureiros de surpresa, menos Yusuke, que com seus reflexos despacha um dos orcs com uma machadinha no meio da testa.

O combate se inicia, com dificuldade entre as sombras projetadas pelas luzes de tochas e da lanterna e as colunas. Com Vanael e Q’dor cercados por 4 dos orcs, 2 em cima de Muriel, Baden e Latiffa e o restante com Bastian e Yusuke, a sorte parecia tê-los logo abandonado. O primeiro a sofrer foi Vanael, com parte de sua armadura e barriga destroçados por um machado. Latiffa, ainda com as mãos ensanguentadas pela oferenda, perde o balanço da arma, bem como o bárbaro Baden.

A situação se complica quando Q’dor tem sua lança partida e tem o braço mutilado por um dos orcs, sendo em seguida acertado nas costas com um poderoso golpe e lançado ao chão. E atraídos pelo barulho da luta, aparecem pela mesma porta dois esqueletos portando vassouras que começam a atacar os orcs.

Quando Q’dor já estava convulsionando no chão, Muriel consegue correr, desviando habilmente de uma machadada rolando no chão e aplica parte do sangue de warg na ferida das costas do seu guarda-costas, impedindo que a hemorragia o matasse. Latiffa usa seu poder da fé para afastar os mortos-vivos para a sala de onde vieram, enquanto Baden ergue um dos orcs com sua espada trespassando seu ventre.

O último orc vivo se rende, tentando gesticular que seria um bom ajudante. Ao ver que Baden não concordava e pretendia matá-lo, o orc revida cravando seu machado no bárbaro, que cai. Vanael crava uma flecha no meio dos olhos do orc, selando seu destino e permitindo que Latiffa não deixasse Baden ir para o outro mundo.

Certamente um inesperado e difícil combate contra habilidosos orcs ladrões de tumba, mas o que mais os espera no interior da Tumba de Nesta?

View
A Tumba de Nesta - Parte 2
Onde o tiro sai pela culatra

A passos cuidadosos

Ao final do combate contra os orcs, após estabilizarem Baden Urquell e Q’Dor, a porta da sala se fecha sozinha. Bastian e Yusuke Suzuki vão investigar e detectam um mecanismo automático de engrenagens que fechou a porta, sem chance de abrir do lado que ficaram presos. Com os esqueletos que Latiffa Laqüiin havia afastado ainda no cômodo ao lado, os ladrões decidem despachá-los antes de tentar levantar acampamento, o que fazem com facilidade.

Porém, a porta contra a qual os esqueletos se debatiam prova-se ser além da capacidade dos ladrões para arrombarem. Ainda investigando as passagens no próximo aposento, descobrem uma sala repleta de urnas com líquidos dentro. Muriel identifica um deles contendo ácido e antes que tentem verificar os outros ou apanhar as pedras e ouro depositadas no fundo dos vasos, resolvem descansar.

E quando Latiffa senta-se no banco de madeira do cômodo e o quebra, mais três esqueletos saem do quarto ao lado para varrê-la. O combate com os esqueletos não é tão dificultoso, com a própria Latiffa atacando com sua maça, de onde havia caído sentada, e Vanael conseguindo destruir um dos esqueletos com sua espada. A sala de onde os esqueletos saíram está repleta de vassouras e uma poça d’água no chão. Com todo o cuidado do mundo, Bastian e Yusuke testam de todas as formas possíveis se a tal poça era inofensiva. Quando determinam que é seguro, acomodam-se como podem no local e descansam até o dia seguinte.

O terror do fogo

Eis que, recuperados, decidem investigar as urnas. Entre as urnas que funcionam como recipientes, de ácido, água e óleo, numa encontram um perigo que quase põe a vida de Yusuke em risco. Derrubando a urna e indo de encontro aos ladrões de tumba, um cubo gelatinoso filhote procura envolvê-los. Muriel consegue arremessar sua adaga na criatura, ela parece flutuar no ar ao invés de cortar carne. Em conjunto, Q’dor e Bastian derrubam o jarro de óleo em cima do ser gelatinoso e ateiam fogo.

A criatura, em meio às chamas do óleo, parece não se importar e os segue, forçando-os a correr de volta ao cômodo anterior. Porém, as chamas cobram seu preço, e a flecha de Vanael sela o destino do cubo gelatinoso, que se desfaz em uma poça de ácido orgânico. Com a sala ainda em chamas, Q’dor e Yusuke investigam as urnas e usam a água para apagar o fogo.

Enquanto isso, de volta à sala das teias no teto e com os altares, os outros vasculham em busca de algum segredo que os permita reabrir a porta. A fumaça do fogo apagado por Yusuke e Baden chega a essa sala e Latiffa percebe que ela escapa por uma fresta atrás do altar a Zohar. Bastian investiga o mecanismo da porta secreta e consegue abri-la.

Eis que o halfling se assusta com o que seus olhos vêem: no corredor secreto, uma escada escavada na pedra leva a 5 homens-lagarto. Bastian larga a porta, que se fecha com força. Os outros, atraídos pelo som, vão verificar e o pequenino nada escuta do outro lado da porta. Abrindo-a novamente, percebe que os homens-lagarto não se moveram. Determinando que são estátuas, Bastian pede a Baden que esteja pronto para abrir a porta caso seja uma armadilha como a porta pela qual entraram nesta sala.

O halfling adentra o corredor e quando tenta abrir a porta por dentro, ouve o som dos homens-lagarto, agora não mais de pedra, atrás no patamar da escada. Abrindo com celeridade a porta e a batendo novamente, todos se preparam para o combate.

Baden se coloca para manter a porta aberta, esperando fechar na cara dos homens-lagarto quando eles passarem, mas os reptilianos são mais rápidos e quase matam o bárbaro. Muriel, que havia acertado um deles com seus mísseis mágicos, recebe uma de suas lanças no ventre, quase decaindo para o sono eterno, mas ainda resistindo. Baden consegue soltar a porta, que ouve-se quebrar o focinho de um dos homens-lagarto. Há o som de confusão quando os reptilianos tentam abrir a porta e o som se distancia.

Yusuke prepara a bola feita de pasta explosiva para ser arremessada. Quando Q’dor abre a porta, apenas um pouco para que o oriental possa realizar seu arremesso, o ladrão percebe que um dos homens-lagarto havia retornado à pedra e os outros pareciam confusos. Porém, o arremesso é falho e ambos o guerreiro e o ladrão são pegos nas chamas e caem gritando com a pele em chamas.

Latiffa consegue salvar a vida de seus companheiros, mas a dor foi tão grande que ambos estão desacordados com o choque. Com a porta novamente fechada e talvez em pior situação que antes, somos deixados a imaginar qual será a sina desses destemidos que buscam descobrir os segredos de Nesta.

View

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.