Q'Dor

Escudo de Aluguel

Description:

Classe: Homem de Armas 3
Sexo: Masculino
Raça: Humano
Alinhamento: Neutro
XP: 6201

For: 17 Des: 10 Con: 18 Int: 10 Sab: 11 Car: 9

CA: 13
PV: 35
JP: 16 Destreza + 0, Constituição + 4, Sabedoria + 0
Mov: 8m

Ataques:
Espada Longa – + 6, dano 1d8 + 3
Espada da masmorra dos kobolds infernais – + 6, dano 1d8 + 3

Equipamentos:
Escudo de Sir Valérius, Odre Pequeno, Trajes de Explorador, Ração (1,5), Espada longa, Espada da masmorra dos kobolds infernais

Bio:

Existe um tempo que Q’Dor escolheu esquecer. Há muitos anos, quando o primeiro Duque Kahrn ainda perdia noites de sono com as contendas políticas da nobreza volstagradiana, e a economia farta ainda fornecia comida para os opulentos banquetes, ele atendia por outro nome.
Dido Q’Dör Kolnidur era terceiro filho de Olsen, irmão e conselheiro de Lorde Geork o então patriarca do Clã Kolnidur. Sendo o décimo na sucessão de herdeiros ao título de Lorde Geork – dado que nenhum de seus seis filhos tivesse filhos -, Dido se encontrava em uma posição desfavorável para a nobreza, que só era reiterada pela sua aparência rústica, mesmo enquanto criança. Sendo um fidalgo de pouco valor no turbulento panorama da realeza de Volstagrad, Dido foi rapidamente usado como moeda de troca, enviado ao Clã Miller para servir como escudeiro para a família e fixar uma aliança.

Com o princípio das crises econômicas de Volstagrad, antes que crescesse o suficiente para entender o que acontecia, o Clã Miller – que havia mascarado sua falência primorosamente – foi absorvido por outro Clã. Cada vez mais fora do alcance de sua família, o inepto menino Dido caminhou pela nobreza como um pequeno fidalgo sem rumo, sendo trocado pelas famílias até, por fim, cair nas graças de Lorde Lino Aresius do Clã Aresius.
Lorde Lino era um nobre de inclinações bélicas, e levava a palavra “escudeiro” de maneira taxativa. Treinava seus soldados com um “pedigree” infalível, e fornecia homens de elite para a coroa volstagradiana. Dido, pelo seu porte robusto e pouca aptidão com palavras, foi treinado como escudeiro da nobreza. Sua missão era simples: proteger o Lorde e seus filhos com a própria vida, fazer o trabalho sujo e deixar a conversa para os outros. Sua carreira como escudeiro foi longa, e o Lorde Lino gozou de uma vida longa e saudável até padecer de disenteria.

Sua vida como fidalgo, a pouca nobreza que lhe restava, teve um fim súbito.
Durante um jantar de gala para celebrar a união entre Lorde Kino do Clã Aresius e a filha mais velha do Clã Teocrates , Dido foi orientado a postar-se ao lado de Lorde Kino e provar de todos os pratos para protegê-lo de envenenamentos.
Durante os pratos, Dido provou de uma leitoa assada e passou-a para seu Lorde, que morreu – junto com grande parte dos convidados – antes de Dido sequer sentir dores de barriga. Durante o caos causado pelo envenenamento em massa, Dido desmaiou.

Acordou sendo arrastado por soldados do Clã Teocrates para uma vala comum. Q’Dor os incapacitou, roubou algumas roupas e fugiu para a floresta antes de desfalecer novamente. Quando acordou, fugiu.

Juntou-se ao bando de legionários, saindo dos olhos da nobreza.
Hoje atende por Q’Dor e escolhe esquecer que um dia sua vida foi complicada.

Q'Dor

Old Dragon - Galerinha bruno_baere DXimenes