Old Dragon - Galerinha

O sumiço das crianças de Lindley - Parte 3

Onde uma dupla inesperada é encontrada

Yusuke Suzuki resolve se aproximar da estátua do homem anão para procurar por alguma armadilha ou compartimento secreto e é bafejado com um perfume doce que faz suas feridas se curarem. Não tendo achado nada além da espada que Q’Dor pegou na sala, retornam para a rampa.

Baden Urquell segura uma corda para que Bastian possa descer e estudar o que há lá embaixo. O halfling desce escorregando pela rampa, sendo segurado pelo guerreiro há poucos centímetros de cair em um tanque de piranhas. Içado de volta, resolvem estudar as alavancas na sala do golem.

Baden ativa uma das alavancas, que faz com que seus objetos de metal sejam atraídos para o teto. Com pressa, conseguem desativar a armadilha antes que Q’Dor seja puxado para o teto, tendo feito força para se manter no chão. Porém, Baden testa a outra alavanca. Ele e Q’Dor são trancados na sala e água começa a cair pelas paredes. Rapidamente a sala está inundada e Q’Dor ativa a alavanca do ímã para ser puxado para o teto, evitando ser afogado com o peso de sua armadura.

Porém, o plano falha quando a água o atinge mesmo no teto. Baden, tentando flutuar pelo buraco por onde caíram, sem a corrente que os levaria de volta em segurança, resolve nadar até a alavanca e reativá-la para ver se a água cede. Sem sucesso. Q’Dor acaba usando sua adaga para se desvencilhar da cota de malha que o prende ao teto, largando espada e escudo presos pelo ímã.

A água começa a escorrer quando, do outro lado, Latiffa Laqüiin, Yusuke, Muriel e Vanael derrubam uma das estátuas e a usam como aríete para abrir a porta. O grande volume de água os derruba e escorre buraco e rampa a dentro. Desativando o ímã, Q’Dor recupera suas armar e escudo e resolvem descer pelo buraco, para uma sala de tortura, pelo que puderam ver de cima. Os dois guerreiros, cansados pela experiência de quase morte que tiveram, ajudam seus amigos a descerem pelas cordas.

E eis que Yusuke encontra, enjauladas, quatro das crianças de Lindley, sobreviventes das torturas dos kobolds. Em outra jaula, um casal atípico é encontrado: um anão e uma elfa, que para surpresa de Yusuke, era sua antiga rival nas artes de invadir tumbas e masmorras esquecidas pelo tempo, Kar’in. Libertas as crianças, a elfa e o anão Ahlfh, ouvem de um buraco para o próximo andar o choro de uma criança pedindo por ajuda. Sem muito tempo para se interarem do que ambos faziam ali, presos, Bastian e Yusuke saltam pelo buraco.

O confronto com o servo das trevas

Quando aterrisam, encontram-se em uma ilhota de pedra num lugar quente e abafado. Duas outras ilhotas em meio ao mar de magma nesta caverna os separam de um kobold um pouco mais alto que os outros, com grandes chifres curvos, retorcidos para trás, que segura com suas garras arranhando a pele uma garota.

Ahlfh segura a corda por onde os membros da Guilda da Curtição vão descendo, enquanto os ladrões põe-se a lutar contra a vil criatura. Kar’in procura em meio à distração do combate se esgueirar pelas ilhotas até chegar no kobold, enquanto Bastian e Baden arremessam suas armas e põe-se a correr até combate corpo-a-corpo. Vanael e Baden fazem chover flechas sobre a criatura e Q’dor arremessa suas armas.

O kobold faz suas invocações, atingindo Bastian e invocando uma névoa tóxica sobre os curtidores na ilhota. De dentro do mar de lava, tentáculos de magma surgem açoitando aqueles próximos às margens. A perna de Kar’in é queimada por um deles, mas os mísseis mágicos de Muriel o fazem largar a elfa, que aproveita a distração do kobold para resgatar a criança e correr de volta para a ilhota.

Ferido pelo combate, o kobold invoca com palavras profanas o nome de Cthulhu. O combate corpo-a-corpo com os ladrões é pesado, sua velocidade em esquivar e defender dos golpes, aliado a proteções místicas, fazem Bastian e Yusuke verterem suor em espuma na tentativa de cortá-lo e perfurá-lo.

Sua boca é calada quando uma das flechas de Vanael encontra seu destino, fazendo-o desequilibrar-se e cair na lava. Com seu corpo consumido pela rocha derretida, a caverna começa a desmoronar. Ahlfh invoca o poder de Drasz para que consiga segurar a corda com os curtidores e a criança e põe-se a correr em direção a saída.

Vanael dispara uma flecha com a corda que os tira do buraco da sala do golem, com Bastian subindo primeiro para oferecer uma segunda corda, conseguindo sair pouco antes do chão ceder. Ainda restaria a corrida pelo primeiro nível de caverna escavada até a escada de ripas de madeira. Com a saída pela boca da árvore, o bafo da caverna de magma escapa por trás deles. Porém, encontrariam um Nilbog Comegatos com um olhar perdido em direção à vila de Lindleu e a grande sombra de um dragão passando sobre suas cabeças.

Da frigideira para o fogo

Ao perceberem o enorme réptil alado passando em direção às montanhas, observam seu feito: Lindley arde em chamas, os gritos das pessoas são ouvidos à distância. Mal têm tempo de reagir quando encontram os Filhos de Kelvin, vindos da floresta que antecede a montanha. Sua fala é desconexa, pedem pressa em correr, ordenam com urgência que saiam dali, mas são ignorados pela Guilda da Curtição que seguem em direção à cidade.

Enquanto se dividem na tarefa de ajudar a apagar os incêndios e salvar as pessoas, Latiffa encontra Mariana chorando por Natalya, sua mãe, presa entre os escombros de sua casa. Tirando a mulher debaixo da viga, seu último pedido é: “Cuidem de Mariana…”. Drasz e Vahlar não atendem os pedidos de Ahlfh e Latiffa, a alma de Natalya já estava seguindo para os Portões de Omnos.

A vila de Lindley, conhecida por ser uma produtora de vinho nos limites dos Reinos Ocidentais, já na borda das Terras Marginais, por um tempo depois seria uma cidade abandonada após a tragédia da Noite das Chamas Despertas. Mas isso é uma outra história.

Comments

bruno_baere bruno_baere

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.